08/03/2024 às 11h11min - Atualizada em 10/03/2024 às 00h01min

Campanhas de prevenção em relação a saúde da mulher marcam o mês de março

As doenças que mais acometem a saúde delas são lembradas neste mês pelas cores lilás, que representa o combate ao câncer de colo de útero, azul-marinho, alerta para o câncer colorretal e de intestino; e o amarelo sobre a endometriose

Unisa
divulgação


O mês de março é marcado pelo Dia Internacional da Mulher (8/3), a data também traz luz para reflexões sobre o papel e os desafios delas em nossa sociedade. Desde questões associadas a equidade de gênero no mercado de trabalho ao acesso à saúde. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), entidade internacional dedicada a melhorar a assistência à saúde na América Latina, entende que as expectativas de gênero variam de uma cultura para outra, mas também é importante reconhecer identidades que não se encaixam nas categorias binárias de sexo masculino ou feminino, pessoas transexuais e intersexuais. 

De acordo com o calendário dos meses coloridos, iniciativas para conscientizar a população sobre os cuidados com a saúde, neste mês as doenças que mais afetam as mulheres são lembradas nas cores lilás, que simboliza o combate ao câncer de colo de útero, o azul-marinho, alerta para o câncer colorretal e de intestino, no Brasil o segundo tipo com maior incidência entre homens e mulheres, de acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer); e o amarelo sobre a endometriose, doença crônica que acomete mulheres. 

Para Henrique Mantoan, cirurgião oncológico, professor e diretor do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro (Unisa), uma das mais importantes faculdades médicas do país, as campanhas buscam alertar a população para o cuidado preventivo. “O diagnóstico precoce, com a realização do exame de papanicolaou e a genotipagem para o HPV de alto risco, é fundamental no processo da cura” “A ciência aliada as novas tecnologias têm contribuído para análises de imagens e exames eficientes, mas também hoje é possível atuar de forma preventiva por meio de vacinas que atuam na prevenção, por exemplo, contra o HPV (Papilomavírus Humano), uma das infecções sexualmente transmissível mais frequente no mundo, comenta o diretor.   

No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS), oferece a vacina contra o vírus HPV para meninas e meninos de 9 a 14 anos. O câncer de colo de útero é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. No mundo uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comum no mundo, embora sejam poucos casos evoluem para um câncer. Na maioria das vezes, como a transmissão ocorre pela relação sexual, pode ser evitada com o uso de preservativos. 

  

Notícias Relacionadas »
Quer anunciar e
posicionar melhor
sua marca?
Clique para
divulgar já!🤝
Atendimento
Fale conosco pelo WhatsApp agora!