10/07/2023 às 19h00min - Atualizada em 11/07/2023 às 12h01min

Bianca Bin está em peça francesa

Estreia no Sesc Ipiranga

Redação

Ronaldo Gutierrez

Inédita no Brasil, comédia O Nome do Bebê estreia dia 14 de julho no Sesc Ipiranga

Com direção de Elias Andreato e com Bianca Bin no elenco, o espetáculo é uma adaptação para a realidade brasileira da bem-sucedida peça de Matthieu Delaporte e Alexandre de la Patellière

 

Em tempos cada vez mais violentos e agressivos, a comédia O Nome do Bebê, da dupla francesa Matthieu Delaporte e Alexandre de la Patellière, discute a dificuldade de escuta nas nossas relações mais íntimas. A comédia, que tem direção de Elias Andreato, estreia no dia 14 de julho no Sesc Ipiranga, onde segue em cartaz até 20 de agosto, com apresentações às sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 18h.

Montado em vários países e adaptado para o cinema em 2012, o premiado texto foi traduzido pela atriz Clara Carvalho, que buscou aproximá-lo ainda mais da realidade brasileira, valorizando ironias e sarcasmos. Já o elenco traz Bianca Bin, Cesar Baccan,  Eduardo Pelizzari, Lilian Regina e Marcelo Ullmann.

Depois de protagonizar o espetáculo “Jardim de Inverno”, com direção de Marco Antônio Pâmio, Bianca Bin, que está na telenovela das 9, Terra e Paixão, solidifica sua carreira com papéis cada vez mais complexos, também no teatro.

Na peça, Vincente e Anna vão jantar na casa da irmã dele para comunicar a ela, ao cunhado e a um amigo de infância o nome escolhido para seu primeiro filho. O pai de primeira viagem faz uma brincadeira infeliz e diz que o bebê se chamará Adolfo; nome cuja sonoridade se assemelha ao maior ditador da História. 

A partir dessa situação absurda, as personagens dão início a uma discussão crescente, que evoca uma série de memórias e ressentimentos profundamente escondidos, revelando seus preconceitos e contradições.

“Nosso olhar, percorre a crueldade e o fascínio que essas relações, tão conhecidas do nosso cotidiano, nos remetem às lembranças pueris e medonhas que guardamos para sempre. É impossível não nos identificarmos com os personagens, e com a situação criada pelos autores de forma tão realista e explosiva”, comenta o diretor Elias Andreato.

A peça revela que, para chegarmos às relações verdadeiras em nossas vidas, precisamos estar desarmados para aceitar e ouvir. A falta de escuta, tão comum nos dias de hoje, é o primeiro passo para a não-aceitação dos outros. E, sem aceitação, não há solução de conflitos. Os personagens descobrem que a única maneira de se entenderem, inclusive nas relações de amizade, é se abrirem para o diferente e deixarem de lado suas aparentes incompatibilidades.

“Quando o teatro provoca e nos inquieta, propondo um jogo teatral absolutamente verdadeiro, é porque ele está vivo, podendo ser violento e muito divertido. O homem é o único animal que ri diante do inferno que são os outros. Humor não se explica, mas a crueldade sempre nos incomoda. A nossa comédia certamente deixará o espectador feliz, mas ele terá que rir de si mesmo”, acrescenta o diretor sobre a encenação.

Com humor inteligente, a montagem mostra como a polarização do pensamento e a falta de escuta e de acolhimento podem fazer ruir mesmo as relações mais íntimas. 

Sobre Elias Andreato (diretor)

Ator, diretor, autor e professor, Elias Andreato iniciou sua carreira em 1977 ao atuar no espetáculo “Pequenos Burgueses”, de Renato Borghi. Com a peça “Sexo dos Anjos” (1990), ganhou os prêmios Shell, APCA (da Associação Paulista de Críticos de Arte) e Apetesp. Além de já ter trabalhado em grandes produções de teatro, participou da minissérie “A Muralha” e foi roteirista da série “Sai de Baixo”, nos anos de 1997 e 1998.

Dirigiu no teatro mais de 60 peças. Seus últimos trabalhos foram “A Última Sessão de Freud” (2023), “Andaime” (2023), “Benditas Mulheres” (2022), “Alma Despejada” (2019 – com Irene Ravache), “O Louco e a Camisa” (2019), “Papo com o Diabo” (2019), Num Lago Dourado (2019), “Amor m 79:05” (2019) e “Esperando Godot” (2018). Foi indicado três vezes ao prêmio Shell, tendo vencido duas.

Ficha Técnica

Texto: Matthieu Delaporte e Alexandre de la Patellière

Tradução: Clara Carvalho

Direção: Elias Andreato

Assistente de Direção e Stand In: Mariana Loureiro 

Elenco: Bianca Bin, Cesar Baccan,  Eduardo Pelizzari, Lilian Regina e Marcelo Ullmann

Desenho de luz: Wagner Pinto

Figurino: Anne Cerutti 

Assistente de Figurino: Luiza Spolti

Cenografia: Rebeca Oliveira

Cenotécnico: Evas Carreteiro

Fotos: Ronaldo Gutierrez 

Programador Visual: Rafael Oliveira

Gerenciador de Mídias Sociais: Felipe Pirillo

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Diretor de Produção: Cesar Baccan

Produtor Executivo: Marcelo Ullmann

Assistente de Produção: Rebeca Oliveira

Produção: Baccan Produções e Kavaná Produções 

Realização: SESC

 

Sinopse

Vicente e sua esposa, que esperam seu primeiro filho, são convidados pela irmã dele e o seu cunhado para um jantar. Quando o pai de primeira viagem revela o nome de seu filho, conflitos são levantados, levando a revelações que mudarão as relações entre todos. Uma comédia contundente.

 

Serviço

O Nome do Bebê, de Matthieu Delaporte e Alexandre de la Patellière

Temporada: 14 de julho a 20 de agosto

Às sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 18h

Sesc Ipiranga (Teatro) – Rua Bom Pastor, 822, Ipiranga

Ingressos: R$40 (inteira), R$20 (meia-entrada) e R$12 (credencial plena)


Classificação: 12 anos

Duração: 80 minutos

Capacidade: 200 lugares

Acessibilidade: Teatro acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida, baixa visão e obesidade. Sessões nos dias 30 de julho e 06 de agosto com intérprete em libras.


 


Notícias Relacionadas »
Quer anunciar e
posicionar melhor
sua marca?
Clique para
divulgar já!🤝
Atendimento
Fale conosco pelo WhatsApp agora!