24/03/2023 às 15h59min - Atualizada em 24/03/2023 às 20h00min

Brasil registra alta de 15,6% na produção doméstica de produtos médico-hospitalares, em 2022

Quase oito mil postos de trabalho foram abertos. Retomada de cirurgias, procedimentos e exames pós-pandemia contribuíram para o resultado positivo

SALA DA NOTÍCIA DOC Press Comunicação
https://abiis.org.br/abiis-dados-economicos/

divulgação
O ano passado foi positivo para a indústria da saúde, com crescimento acumulado de 15,16% na produção doméstica. Os dados estão no Boletim Econômico da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (ABIIS), que acaba de ser tabulado. No período, foram abertos 7.842 postos de trabalho, uma alta de 5,1%, na comparação com 2021. As atividades industriais e comerciais do setor de dispositivos médicos empregam 162.962 trabalhadores, número que não inclui serviços de comple­mentação diagnóstica e terapêutica. O segmento com mais contratações foi o da ‘Indústria de instrumentos e materiais para uso médico, odontológico e de artigos ópticos’.

Entre janeiro e dezembro, houve um recuo de 5% nas importações de DMs e um crescimento de 5,1% nas exportações, em relação ao mesmo período de 2021. A balança comercial ficou deficitária em US$ 5,5 bilhões, uma redução de 6,3%. O Brasil importa cerca de 50% dos produtos para a saúde que consome.


Já o consumo aparente de produtos para a saúde – que é soma da produção nacional e das importações, descontadas as exportações – cresceu 1,6%, em 2022. “Esse número foi impulsionado por próteses e implantes (alta de 16,6%) e materiais e equipamentos para a saúde (+5,9%). Reagentes e analisadores para diagnóstico in vitro tiveram redução de 7,4%. Parte dessa queda se deve a diminuição nos casos de covid-19 e das testagens para a doença”, afirma o diretor executivo da ABIIS, José Márcio Cerqueira Gomes.
           
Crescimento de cirurgias, procedimentos e exames

Com o fim da pandemia, a retomada dos procedimentos e exames eletivos segue em alta. Entre janeiro e dezembro, foram realizadas 5,1 milhões cirurgias no Sistema Único de Saúde, um número 20,5% maior do que em 2021. Também cresceram as internações para procedimentos, de 11,4 mi­lhões para 12,2 mi­lhões (+6,7%). “No pós-pandemia, destaca-se a queda de in­ternações para tratamentos clínicos de 3,7%. Por outro lado, houve crescimen­to de 74% nas internações para o tratamento de pneumonias e influenza e de 27,4% para o trata­mento de outras doenças bacterianas”, analisa Gomes.

Em 2022, foram realizados no SUS mais de 1 milhão de exames, uma alta de 13,7% em relação ao ano anterior. Os maiores aumentos foram de 30% em teste rápidos e de 25,5% em diagnósti­cos por ressonância magnética.

“Com as incertezas na economia e a mudança de governo no Brasil, as perspectivas para 2023 são positivas, mas modestas. O fato dos brasileiros terem retomado seus tratamentos e consultas médicas, tanto na rede pública quanto na privada que registrou incremento no número de beneficiários, nos leva a crer que o consumo de produtos médico-hospitalares siga em alta moderada”, conclui o diretor executivo da Aliança.


O Boletim Econômico ABIIS é desenvolvido pela Websetorial Consultoria Econômica.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Quer anunciar e
posicionar melhor
sua marca?
Clique para
divulgar já!🤝
Atendimento
Fale conosco pelo WhatsApp agora!