26/09/2023 às 11h56min - Atualizada em 29/09/2023 às 00h03min

Cia. Ludens promove ciclo de leituras dramáticas

O tema das peças inéditas no Brasil são o Teatro irlandês, deficiência e protagonismo

Redação
Divulgação


 

Cia. Ludens promove ciclo de leituras dramáticas com o tema “Teatro irlandês, deficiência e protagonismo”

 

Todas as peças são inéditas no Brasil e foram traduzidas para o português. As leituras acontecem de 2 a 6 de outubro, no Teatro da Escola Superior de Artes Célia Helena


O teatro irlandês moderno e contemporâneo é povoado por personagens com deficiências. E este é justamente o tema do V Ciclo de Leituras da Cia Ludens, que acontece entre os dias 2 e 6 de outubro, a partir das 19h30, no teatro da Escola Superior de Artes Célia Helena. A entrada é gratuita.

A mostra oferece ao público brasileira a oportunidade de entrar em contato com uma série de peças inéditas no Brasil. São elas: O poço dos santos (The Well of the Saints, 1905), de John Millington Synge, traduzida por Domingos Nunez; O aleijado de Inishmaan (The Cripple of Inishmaan, 1997), de Martin McDonagh, traduzida por Domingos Nunez; Knocknashee, A Colina das Fadas (Knocknashee, 2002), de Deirdre Kinahan, traduzida por Beatriz Kopschitz Bastos e Lúcia K. X. Bastos; Controle manual (Override, 2013), de Stacey Gregg, traduzida por Alinne Balduino P. Fernandes; e Luvas e anéis (Rings, 2010) de Rosaleen McDonagh, traduzida por Cristiane Bezerra do Nascimento.

As leituras serão seguidas por debates com diretores, tradutores, elencos e convidados, e algumas das peças, publicadas pela Editora Iluminuras, serão lançadas durante o ciclo. O evento contará com a presença da Embaixadora da Irlanda, Fiona Flood, do Cônsul Geral da Irlanda em São Paulo, Eoin Bennis, e da Vice-Cônsul, Rachel Fitzpatrick. 

O ciclo e as publicações integram um projeto que reflete a pesquisa orientada pela prática desenvolvida no Núcleo de Estudos Irlandeses da Universidade Federal de Santa Catarina, considerando a representatividade de pessoas com deficiências no teatro. O projeto completo contempla, portanto, pesquisa teórica, traduções, publicações e eventos acadêmicos e artísticos, incluindo o ciclo de leituras realizado pela Cia Ludens, em parceria com a Escola Superior de Artes Célia Helena. 

A iniciativa ainda prevê a montagem da peça Luvas e anéis, de Rosaleen McDonagh, pela Cia Ludens, em parceria com o Sesc São Paulo, com estreia marcada para 10 de novembro no Sesc Santana. A estreia contará com a presença da dramaturga, escritora pertencente à minoria étnica traveller, nascida com paralisia cerebral, em Sligo, na Irlanda. Sua obra para o teatro e sua coletânea de ensaios, Unsettled (2020), versam sobre feminismo, deficiência e inclusão social.

Celebrando 20 anos de fundação em 2023, a Cia Ludens exibe em seu catálogo produções de peças irlandesas traduzidas para o português, uma peça original de autoria de Domingos Nunez, ciclos de leituras, peças online e publicações. Desde 2003, a companhia tem se apresentado em São Paulo e viajado em turnê pelo Brasil — e até para a Irlanda! 

A Escola Superior de Artes Célia Helena, com mais de 45 anos de história, é reconhecida pela excelência nas artes da cena e pela formação de dramaturgos, diretores e atores para teatro, televisão, cinema e plataformas audiovisuais. 

O projeto tem como objetivos veicular peças irlandesas de excelência artística com o tema do protagonismo de pessoas com deficiências, explorar as diferentes estéticas dramatúrgicas dessas peças e fomentar conexões com o contexto sociocultural do Brasil contemporâneo, contando com a participação de pessoas com deficiências na elaboração das publicações e na realização das produções, na condição de autores, tradutores, diretores, atores e equipe de criação.

O ineditismo e significância do projeto residem em discutir a proeminência de pessoas com deficiência no teatro moderno e contemporâneo irlandês, além de sua participação efetiva como agentes de mudança em projetos teatrais e artísticos na Irlanda e no Brasil. A seleção de peças mostra a evolução gradual e o comprometimento dos dramaturgos com o tema, bem como o crescimento da participação de vozes femininas, de minorias étnicas e de pessoas com deficiências — todas extremamente originais na abordagem da questão. 

O ciclo conta com curadoria e produção de Beatriz Kopschitz Bastos, coordenação de Domingos Nunez e Gabriela Alcofra, produção executiva de André Roman e apoio do Consulado Geral da Irlanda em São Paulo

Confira abaixo a programação completa do ciclo:

2 de outubro, às 19h30

O poço dos santos

A peça de John Millington Synge, fez parte do repertório original do Abbey Theatre, o teatro nacional da Irlanda. Um estudo tragicômico do conflito entre ilusão e realidade, a peça mostra um casal de idosos cegos, Martin e Mary Doul, no condado de Wicklow, cuja cegueira é temporariamente curada por um “santo” que chega ao local. A peça é considerada um trabalho à frente de seu tempo, e o teatro de Synge é, de certa forma, reconhecido como precursor do teatro de Samuel Beckett e Martin McDonagh. 

Ficha técnica: Dramaturgia: John Millington Synge | Tradução e direção: Domingos Nunez | Elenco: Norival Rizzo, Chris Couto, Kiko Pissolato, Fernanda Viacava, Paulo Bordhin, Nathalie Campinas e Vinivius Davidovitch

3 de outubro, às 19h30

O aleijado de Inishmaan 

Escrito em 1997, o texto de Martin McDonagh se passa em 1934, em uma das três Ilhas Aran no remoto oeste da Irlanda: Inishmaan. Os habitantes da ilha ficam sabendo que o diretor de cinema americano, Robert Flaherty, chegará à ilha vizinha, Inishmore, para filmar o documentário Man of Aran. Billy, rapaz órfão com deficiência física, chamado pelos habitantes da ilha de Aleijado Billy, decide se candidatar a figurante no filme. A peça guarda surpresas devastadoras. Muito característicos do teatro de Martin McDonagh, elementos de violência e humor ácido destacam-se no texto.

Ficha técnica: Dramaturgia: Martin McDonagh | Tradução: Domingos Nunez | Direção: André Acioli | Elenco: Wanderley Montanholi, Ana Lúcia Torre, Clara Carvalho, Miriam Mehler, Tyller Antunes, Elias Andreato, Nilton Bicudo, Julio Oliveira, Caetano O’Maihlan

4 de outubro, às 19h30

Knocknashee, A Colina das Fadas

A peça de Deirdre Kinahan se passa em um lugar fictício chamado Knocknashee, no condado de Meath. Patrick Annan, artista em cadeira de rodas, Bridgid Carey, personagem em um programa de reabilitação para dependentes químicos, e Hugh Dolan, personagem com questões relacionadas à saúde mental ligadas a seu passado, encontram-se por ocasião da tradicional festividade da Véspera de Maio, em cuja noite, supostamente, um portal mítico para o mundo das fadas se abre. Uma das peças menos conhecidas de Deirdre Kinahan, Knocknashee trata a questão da deficiência com respeito.

Ficha técnica: Dramaturgia: Deirdre Kinahan | Tradução: Beatriz Kopschitz Bastos e Lúcia K. X. Bastos | Direção: Simoni Boer | Elenco: Rodolfo Ferrim, Gustavo Trestini, Luísa Moretti | Colaboração artística em adereços: Jorge Luiz Alves

5 de outubro, às 19h30

Controle manual 

Escrita em 2013, a obra de Stacey Gregg retrata um casal de jovens, Mark e Violet, em uma época em que o uso excessivo de tecnologia para corrigir imperfeições e deficiências, ou simplesmente para aprimorar habilidades físicas, tornou-se prática possível e normal. O casal, entretanto, tenta resistir a esse fenômeno e à sociedade que o aprova e facilita. Surgem, entretanto, revelações inesperadas e comprometedoras, que ameaçam seu mundo, corpos e relacionamento perfeitos. Uma distopia instigante, Controle manual convida espectadores e leitores a refletir sobre o que significa ser humano e sobre a perfeição humana em si.

Ficha técnica: Dramaturgia: Stacey Gregg | Tradução: Alinne Balduino P. Fernandes | Direção: Mauri Paroni | Elenco: Luciana Borghi, Elcio Nogueira Seixas, Tiberio Scardua | Colaboração artística de roupas e adereços: Isadora Poeta Martinez, Thais Cervato

6 de outubro, às 19h30

Luvas e anéis 

Escrita em 2010, a peça de Rosaleen McDonagh tem como personagem central Norah, pugilista surda, membro da comunidade da minoria étnica dos Travellers — os nômades irlandeses —, que expressa seus pensamentos por meio da Língua Brasileira de Sinais. Ela divide a cena com o Pai que, não sabendo usar a linguagem da filha, se expressa por meio da fala. Construído pelos monólogos da filha e do pai, o dilema da peça está na decisão de Norah sobre seu próprio destino. O texto aborda temas como deficiência, feminismo e inclusão social.

Ficha técnica: Dramaturgia: Rosaleen McDonagh | Tradução: Cristiane Bezerra do Nascimento | Direção: Domingos Nunez | Elenco: Catharine Moreira, Edgar Castro e Fabiano Campos

Ficha técnica do ciclo de leituras

Curadoria e produção geral: Beatriz Kopschitz Bastos

Coordenação geral: Domingos Nunez e Gabriela Alcofra

Produção executiva: Andre Roman / Teatro de Jardim

Acessibilidades em libras: Miriam Caxilé e Fabiano Campos

Assessoria de Comunicação: Pombo Correio

Apoio Institucional: Escola Superior de Artes Célia Helena

Realização: Cia Ludens 

Serviço

V Ciclo de Leituras da Cia Ludens - Teatro irlandês, deficiência e protagonismo

Quando: 2 a 6 de outubro, às 19h30

Teatro do Célia - Escola Superior de Artes Célia Helena - Av. São Gabriel, 444, Jardim Paulista, São Paulo

Ingressos: gratuitos.

Acessibilidade: teatro acessível para pessoas com mobilidade reduzida e cadeirantes. Leituras e debates com tradução em Libras. 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U

Notícias Relacionadas »
Quer anunciar e
posicionar melhor
sua marca?
Clique para
divulgar já!🤝
Atendimento
Fale conosco pelo WhatsApp agora!